Comida e bebida

Tejo: o novo restaurante português de Brasília

Tejo: o novo restaurante português de Brasília
Foto: Luciana Barbo
Manuelzinho comanda a nova casa portuguesa

Depois do fechamento do Mouraria, em janeiro de 2014, a comercial da 404/405 Sul, também conhecida como a Rua dos Restaurantes, volta a ter uma casa portuguesa. Entre o Natal e o Réveillon, abriu as portas o Tejo, sob a batuta de Manuel Pires, o Manuelzinho, e sua esposa Natividade.

Há quatro anos, o alentejano de Elvas aportou em Brasília para comandar o Antiquarius, no ParkShopping. Em 2014, a parceria de quase 50 anos com a grife lusitana chegou ao fim e Manuelzinho passou a se dedicar ao restaurante Dalí Camões (Brasil 21), ao lado da mulher. Até que surgiu o convite de um investidor, o empresário do setor gráfico Jadeilto Moura, para a abertura do novo estabelecimento, que leva o nome de um dos rios que banham Portugal.

A decoração de Priscila Machado faz alusão a alguns dos ícones da região de origem de Manoelzinho. Caso da rolha, produto raro hoje em dia, que é extraída da árvore chamada sobreiro, cultivada com esmero no Alentejo. O produto reveste o balcão do bar, no salão principal. A casa conta ainda com um ambiente nos fundos do imóvel (algumas mesas ficam do lado de fora, para a alegria dos fumantes) e também superior, totalizando 100 lugares.

Veja aqui o vídeo do lugar!

Foto: Luciana Barbo
Couvert
Foto: Luciana Barbo
Pasteizinhos, bolinhos de bacalhau e croquetas de carne

O menu é lusitano, com algumas pitadas brasileiras para equilibrar o preço, como o picadinho e um frango com catupiry. Na lista de pratos tradicionais não poderia faltar o bacalhau. Ele vem nas versões Dourado (desfiado, com batata palha e ovos batidos temperados , R$ 75), a Gomes de Sá (assado em lascas, com ovos, batatas e azeitonas, R$ 76) e Espiritual (desfiado e cozido com creme de leite e cenoura e, em seguida, gratinado, R$ 69).

Foto: Luciana Barbo
Arroz de frutos do mar
Foto: Luciana Barbo
Arroz de pato

Como a cozinha portuguesa é variada, também se pode experimentar o arroz de pato (que eu amo bem mais que bacalhau), com azeitonas e paio (R$ 63) e o de frutos do mar (R$ 79). Há também o polvo à moda do chef (cozido e depois grelhado, acompanhado por arroz de brócolis, R$ 98); paleta de cordeiro à moda de Braga (assada no forno e servida com feijão branco guisado com ervas e arroz ao molho da própria assadeira, R$ 109) e o Filé à Tejo (fatiado, ao molho de mostarda, creme de leite, ervas secas, mostarda e acompanhado por batata palito, R$ 59).

Foto: Luciana Barbo
Polvo à moda do chef

Com preços mais amenos, o menu traz o caldo verde, a sopa de tomate e a de cebola (entre R$ 26 e R$ 28) e um menu de almoço com 10 opções de pratos principais, entre R$ 29 e R$ 79, disponíveis de terça a sexta-feira. Esse cardápio dá direito a torradas e manteiga, como entrada, e sericaia, como sobremesa.

Falando em doces, além do creme assado de ovos, típico do Alentejo, há os conventuais barriga de freira, toucinho do céu, pastel de Belém e um rocambole de laranja que está entre os meus favoritos.

Foto: Luciana Barbo
Rocambole de laranjas
Foto: Luciana Barbo
Sericaia

Vale dizer que a cozinha do Tejo está sob o comando do chef Custódio Rodrigues Alves, que acompanha Manuelzinho desde os tempos do Rio de Janeiro.

Fotos: Luciana Barbo

Confira:
Tejo Restaurante
Endereço: 404 Sul, Bloco B, loja 27
Horário de funcionamento: de terça a sábado para almoço e jantar; aos domingos, somente para almoço.
Telefone: 8311-1951

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *